O Brasil cansa…

“Não reclame de prefeitos que abrem covas para intimidar pessoas a fazer suas vontades, enquanto você assiste tipinhos como a Lumena, Karol “Conká”, Projota, Fiuk em rede nacional, enquanto seus filhos assistem Felipe Neto e toda sorte de porcarias no YouTube, não poderia dar em outra coisa, que não um caos social e político. É inevitável, o Brasil cansa…”

Por Tiago Augusto

Caro leitor, o brasil cansa. Manter a lucidez, a sanidade mental em um país virado do avesso culturalmente é dose para elefante!

Cada dia é um 7 a 1, pensar que já fomos a terra de José Bonifácio, Machado de Assis, Joaquim Nabuco, Lima Barreto, Carlos Gomes, Villa Lobos, Nelson Rodrigues, Paulo Francis, e hoje somos a terra de Anitta e Guilherme Boulos. Não é à toa a nação em estado de barata tonta permanente.

De que adianta espernear tal qual criança birrenta contra arroubos autoritários do STF, de todo um sistema composto por burocracia mancomunada com governadores, deputados estaduais, prefeitos e vereadores? Não reclame de prefeitos que abrem covas para intimidar pessoas a fazer suas vontades, enquanto você assiste tipinhos como a Lumena,  Karol “Conká”, Projota, Fiuk em rede nacional, enquanto seus filhos assistem Felipe Neto e toda sorte de porcarias no YouTube, não poderia dar em outra coisa, que não um caos social e político. É inevitável, o Brasil cansa…

A expressão jurídica “Patria cara, carior libertas, veritas caríssima” – Damos a vida pela pátria. Deixamos a pátria pela liberdade. Mas pátria e liberdade renunciamos pela verdade. Porque este é o mais santo dos amores. Os outros são da terra e do campo. Este vem do céu e vai à eternidade. –  do jurista Francis Lieber deveria ser conhecida por todas as pessoas, no caso específico do Brasil, o que vemos é o inverso, renunciamos à verdade por uma falsa liberdade, delegamos liberdade em troca de uma ideia falsa de nação que nos é imposta.

O Brasil está de ponta cabeça, e cansa…


Leia também: Liberdade de expressão sob ataque


Não haverá no país nenhuma abertura política e econômica, sem antes haver uma abertura do intelecto, da cultura, enquanto não renunciarmos tudo pela verdade.

A primeira metade do século XX ficou marcada pelas duas grandes guerras, muito sofrimento e desespero. A vida era difícil…

Imagine ter que se despedir de tudo o que tem lembrança na sua vida, perder as pessoas próximas de você em um campo de concentração. Viktor Frankl passou por tudo isso, perdeu tudo, passou por 4 campos de concentração mas não perdeu a lucidez.

Durante sua estada nesses ambientes desesperadores, Viktor notou que as pessoas dotadas de um sentido concreto, forte e que dirigia sua vida como um raio vindo do alto que ilumina a alma, essas pessoas resistiam ou demoravam mais a se entregar, de acordo com a forçaa interior que possuíam.

Algo fácil de notar no mundo de hoje, temos uma qualidade de vida nunca imaginada pelas gerações anteriores, mas nos falta sentido.

Não me canso de repetir uma frase de Paulo Francis: “Estar ciente do que é o Brasil e chegar aos sessenta anos sem se tornar alcoólatra, ficar louco ou se entregar a qualquer tipo de desvario é fato raro”. O Brasil cansa…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui